Itália legaliza abortos em casa

Artigo visto: 31

O último posto avançado da Itália contra o aborto caiu. No sábado, em um tweet, o ministro da Saúde, Roberto Speranza, deu às mães o “direito” de assassinar seus bebês em casa usando o produto químico RU486 .

As novas diretivas permitem abortos farmacológicos DIY até a nona semana sem hospitalização.

“É um passo importante em total conformidade com a [lei] 194, que é e continua sendo uma lei da civilização”, postou Speranza no twitter, sinalizando a vitória dos pró-aborto em uma batalha de 10 anos.

A Lei 194 , a primeira lei de aborto aprovada em 1978 na Itália predominantemente católica, permite o aborto voluntário em um hospital ou ambulatório por razões de saúde, econômicas, sociais ou familiares nos primeiros 90 dias de gestação. Após 90 dias, apenas o aborto terapêutico é permitido.

O aborto farmacológico, introduzido em 2009 após muitas batalhas, até agora foi legal na Itália apenas nas primeiras sete semanas de amenorréia (ausência de período menstrual em uma mulher em idade reprodutiva) – a Organização Mundial da Saúde recomenda o aborto com RU486 até nove semanas.

Além disso, pela lei anterior, as mulheres em aborto farmacológico eram obrigadas a ficar internadas por três dias.

Parlamentar: Riscos ‘sérios’

As novas diretrizes permitirão que a “pílula abortiva RU486 seja tomada sem hospitalização compulsória até a nona semana de gestação”, disse o parlamentar católico pró-vida Vito Comencini ao Church Militant.

“A decisão do ministro da saúde é inaceitável”, disse Comencini, membro do Partido Lega de Matteo Salvini. “Compartilho a posição do Movimento pela Vida: com as novas diretrizes, as mulheres ficam sozinhas em uma situação que também apresenta graves riscos à saúde”.

“Eles estão tentando passar a mensagem de que o aborto é trivial. Mas não é o caso. A vida de muitos seres humanos está em jogo”, advertiu Comencini.

TALVEZ SURPREENDA QUEM AINDA IMAGINA A ITÁLIA

COMO UM PAÍS CATÓLICO,

MAS JÁ NÃO É ASSIM HÁ ALGUM TEMPO.

Embora o ministro da saúde afirmasse que o procedimento era “seguro”, o professor Gulisano alertou “não é assim porque o uso desses medicamentos sempre envolve riscos para a saúde de quem os toma”.

“Tudo é facilitado porque, do ponto de vista de quem faz essas leis, a vida do concebido não conta. Só conta a possibilidade de eliminá-la de forma rápida e quase invisível”, lamentou o médico pró-vida.

“A Itália está se adaptando à situação de muitos outros países europeus, e isso não é surpreendente. Talvez possa surpreender aqueles que ainda imaginam a Itália como um país católico, mas não é assim há algum tempo”, acrescentou Gulisano.

“As vozes dos bispos que condenarão esta lei serão muito poucas e isoladas. O Movimento pela Vida fez sentir a sua oposição, mas não há uma reação política forte que em casos como este seria indispensável”, observou.

“No parlamento, poucos opositores contestaram a lei. Enquanto isso, os expoentes da Cultura da Morte podem atuar, piorando ainda mais o grau de civilização do país”, destacou o especialista em higiene e medicina preventiva.

Gulisano também destacou que as diretrizes foram reprimidas “em um momento em que o governo ainda aplica um alto grau de pressão psicológica aos cidadãos italianos, continuando a alimentar o medo do coronavírus”.

Bispos silenciosos

Não houve resposta oficial da Conferência Episcopal Italiana (CEI) ou mesmo de bispos individuais, pois o anúncio foi uma “surpresa”.

Apenas La Repubblica , jornal de esquerda italiano e porta-voz das opiniões e entrevistas do Papa Francisco, e Il Messaggero foram avisados ​​e puderam relatar a história ao mesmo tempo que o tweet do ministro da Saúde, escreveu Antonella Mariani no Avvenire , o italiano mídia de notícias dos bispos.

AS VOZES DOS BISPOS QUE CONDENARÃO ESTA LEI

SERÃO MUITO POUCAS E ISOLADAS.

Controle de custo?

A decisão do ministro da saúde veio dois meses depois de mulheres em Perugia protestarem contra a decisão do conselho regional da região de Umbria de fornecer hospitalização para quem tomava RU486.

A lei anterior exigia a hospitalização para evitar que as mulheres tivessem de suportar sozinhas a expulsão de um bebê morto e o perigo de sangramento em casa, no trabalho ou na rua.

No entanto, os defensores do aborto químico – que agora afirmam que é um procedimento menos invasivo e “mais simples” – têm feito todos os esforços para limitar o processo de hospitalização.

Marina Casini, do Movimento pela Vida, destacou que o governo estava promovendo o aborto faça-você-mesmo por motivos econômicos. Eles são “mais baratos e economizam camas, anestesia e até investimentos humanos de médicos e profissionais de saúde”.

“Mas perdemos de vista, por meio do engano, que uma vida humana está em jogo”, disse ela .

‘Alta mortalidade’ vs. Cirurgia

Assuntina Morresi, professora associada de físico-química e membro do Comitê Nacional de Bioética explicou:

O aborto farmacológico é intrinsecamente incerto, bem como mais doloroso e perigoso do que o aborto cirúrgico. A partir do momento em que a mulher toma o primeiro dos dois comprimidos fornecidos, o verdadeiro RU486, ela não sabe se, quando e em que condições vai abortar. Ou seja, ela não sabe se, quando e como começará o sangramento que marca o fim da gravidez, e não pode saber de antemão quais serão os efeitos colaterais.

“A hospitalização de três dias era, portanto, a forma de proteger as mulheres dos problemas adicionais dessa forma de aborto, que, lembramos, tem uma mortalidade mais alta do que a do aborto cirúrgico”, escreveu ela no Avvenire .

RU486 (ou mifepristona) é um medicamento antiprogestogênio sintético comercializado na Itália e na França sob o nome de Mifegyne e nos Estados Unidos sob o nome de Mifeprex.

O mifepristone mata o embrião e seu companheiro, a prostaglandina, facilita a expulsão do bebê.

__________________________

Templário de Maria

Traduzido de ChurchMilitant

Postado por ✝ icatolica.com às 21:48

Fonte: icatolica.com

Curta nossa página no Facebook