Destaque
Os seis pecados contra o Espírito Santo são:

Os seis pecados contra o Espírito Santo são:

Loading

1. Presunção.
2. Desespero.
3. Resistir à verdade conhecida.
4. Inveja do bem espiritual de outro.
5. Obstinação no pecado.
6. Impenitência final.
1 o. O desespero.
Entendida em todo o seu rigor teológico, ou seja, não como simples desânimo diante das dificuldades que a prática da virtude e perseverança apresenta no estado de graça, mas como obstinada persuasão da impossibilidade de conseguir de Deus o perdão dos pecados e a salvação eterna. Foi o pecado do traidor Judas, que se enforcou desesperado, rejeitando com isso a infinita misericórdia de Deus, que lhe teria perdoado o seu pecado se tivesse se arrependido dele.
2 o. A presunção.
Que é o pecado contrário do anterior e se opõe por excesso à esperança teológica. Consiste numa temerária e excessiva confiança na misericórdia de Deus, em virtude da qual se espera conseguir a salvação sem precisar se arrepender dos pecados e continua a cometê-los tranquilamente sem nenhum temor aos castigos de Deus. Despreza-se assim a justiça divina, cujo temor retrairia o pecado.
3 o. A contestação da verdade.
Conhecida, não por simples vaidade ou desejo de contornar as obrigações que impõe, mas por deliberada malícia, que ataca os dogmas da fé suficientemente conhecidos, com a finalidade satânica de apresentar a religião cristã como falsa ou duvidosa. Dessa forma se despreza o dom da fé, oferecido misericordiosamente pelo Espírito Santo, e se peca diretamente contra a mesma luz divina.
4 o. A inveja do proveito espiritual do próximo.
É um dos pecados mais satânicos que se podem cometer, porque com ele ′′ não se tem apenas inveja e tristeza do bem do irmão, mas da graça de Deus, que cresce no mundo ′′ (São Tomás). Entristecer-se com a santificação do próximo é um pecado direto contra o Espírito Santo, que concede benignamente os dons interiores da graça para a remissão dos pecados e santificação das almas. É o pecado de Satanás, que dói a virtude e santidade dos justos.
5 o. A obstinação no pecado.
Rejeitando as inspirações interiores da graça e os conselhos saudáveis das pessoas sensatas e cristãs, nem tanto para se entregar com mais tranquilidade a todo tipo de pecados quanto por refinada malícia e revolta contra Deus. É o pecado daqueles fariseus a quem San Esteban qualificava de ′′ duros de cerviz e incircuncisos de coração e de ouvidos, vós sempre resistes ao Espírito Santo ′′ (Act. 7,51).
6 o. A impenitência deliberada.
Pela qual se toma a determinação de nunca se arrepender dos pecados e de resistir a qualquer inspiração da graça que possa impulsionar o arrependimento. É o mais medonho dos pecados contra o Espírito Santo, pois se fecha voluntariamente e para sempre as portas da graça. ′′ Se na hora da morte – dizia um infeliz apóstata – peço um padre para me confessar, não o tragam: é que estarei delirando “.
Eles são absolutamente irremissiveis?
No Evangelho diz-nos que o pecado contra o Espírito Santo ′′ não será perdoado nem neste século nem no vindouro ′′ (Mt. 12,32). Mas estas palavras devem ser interpretadas retamente. Não há nem pode haver um pecado tão grave que não possa ser perdoado pela infinita misericórdia de Deus, se o pecador se arrepender devidamente dele neste mundo.
Mas, como precisamente aquele que peca contra o Espírito Santo rejeita a graça de Deus e se obstina voluntariamente em seu mal, é impossível que, enquanto permanecer nessas disposições, o seu pecado seja perdoado.
O que não significa que Deus o abandonou definitivamente e esteja decidido a não perdoá-lo mesmo que se arrependa, mas que de fato o pecador NÃO VAI QUERER SE ARREPENTIR E MORRER OBSTINADO EM SEU PECADO.
A conversão e volta para Deus de um desses homens satânicos não é absolutamente impossível, mas seria na ordem sobrenatural um milagre tão grande quanto na ordem natural a ressurreição de um morto.
Fonte: Frei Antonio Royo Marín